De Melbourne para Mansfield

18 de julho de 2018

Saindo da capital do Estado, era hora de partir para ver a neve. Depois de muitos anos, é uma delícia voltar e sentir a mesma alegria que senti da primeira vez.

Após algumas horas de viagem, chegamos em  Mansfield, ainda no estado de Victoria. A cidade é procurada por quem quer ver neve e também esquiar na estações Mount Buller ou Mount Stirling. Cercada por florestas e montanhas, muito conhecida por suas paisagens deslumbrantes, Mansfield foi onde resolvemos nos hospedar por alguns dias.

No centro da cidade, pudemos ver vários edifícios históricos, uma grande variedade de acomodações e um atraente centro comercial. Ainda não havíamos parado para fazer nenhuma refeição e já estava mais do que na hora disso acontecer.

Resolvemos fazer uma pausa e jantar no The Delatite Hotel. O diferencial deste hotel se da pelo seu bistrô e um bar descontraído, muito procurado por quem quer se alimentar e também se divertir escutando um blues ou uma ótima sessão de música ao vivo.

A cozinha fica aberta para almoço e jantar, com uma variedade de refeições para todos os gostos. Sopas, sanduíches, saladas, filés e massas, fazem parte do cardápio, tendo opções tanto para quem quer fazer uma refeição rápida, quanto para aqueles que não estão com pressa para ir embora e desejam um jantar completo em um ambiente aconchegante.

Com um cardápio específico para hora do jantar, decidimos escolher pratos diferentes e assim todos experimentariam um
pouco dessa diversidade.

Apaixonadas por batatas fritas e queijo, a pedida das minhas sobrinhas foi o clássico Mexican Parmigiana. Um filé de frango à parmegiana, com batatas fritas e uma salada que deu um frescor para o prato, graças ao molho sour cream. O prato estava em perfeita harmonia, a carne macia, com uma casquinha bem crocante.


Para os adultos, os pedidos foram um pouco diferentes. Escolhemos pratos que nem sempre encontramos no Brasil. Com gostos específicos, cada um escolheu o que gostaria, mas uma coisa tínhamos em comum, estávamos com vontade de comer carne! Entre os escolhidos, estavam:

  • Moroccan Lamb Rump (garupa de cordeiro grelhada e marinada, servida com arroz misto, salada de lentilhas e ervas, espinafre, beterraba desfiada e molho de iogurte), o prato estava uma delícia. Este corte de cordeiro é feito por meio da desossa da porção traseira do lombo juntamente com a parte superior do pernil, reunindo 12 cortes em um só: são duas picanhas, duas alcatras, duas maminhas, dois filés, dois contrafilés e dois vazios. A garupa é um corte muito apreciado na França, onde recebe o nome de “Selle Désosseé”.

  • Porterhouse Stake (carne bovina, acompanhada de batata frita na cerveja, aspargos e molho). A delícia do prato estava nessa batata frita com crosta crocante e super macia por dentro, com um gosto leve de trigo, malte e cevada.

  • Scotch Fillet Steak (filé bovino, cozido por 12 horas, acompanhado de purê de batata, brócolis e molho de vinho tinto). Esse foi o prato que eu escolhi e fiz questão que estivesse em nosso jantar. E adivinhem só por quê? Se você pensou que foi pelos acompanhamentos ou pelo molho, está enganado. Acertou quem disse pela carne! Escolhi esse prato pelo tempo de cozimento da carne. Desde que cheguei aqui estou experimentando e fazendo várias receitas que utilizam essa técnica de preparo. Estou encantada com os sabores que são capazes de aparecer quando cozinhamos os alimentos em uma temperatura baixa, por muito tempo. A diferença é gritante, vale a pena toda a espera.


Muito bem alimentados, estava na hora de descansar para irmos esquiar e brincar na neve pela manhã do dia seguinte.
Matei a saudade da neve, do frio, de ver as pessoas esquiando, e senti novamente a alegria e adrenalina de descer a montanha de tobogã.

Depois de muita diversão, partimos felizes em busca de novas aventuras!

Até a próxima! 😉

 

 



(11) 99980.7573

Está interessado em contratar os meus serviços de Personal Chef?

Orçamento